Segredo



As coisas que a natureza oculta aos nossos olhos, 
revela-as aos olhos da alma.

Guilherme de Almeida - Barcos de papel



Resultado de imagem para barcos de papel

Quando a chuva cessava e um vento fino
franzia a tarde tímida e lavada,
eu saía a brincar pela calçada,
nos meus tempos felizes de menino.

Fazia de papel toda uma armada
e, estendendo meu braço pequenino,
eu soltava os barquinhos, sem destino,
ao longo das sarjetas, na enxurrada...

Fiquei moço. E hoje sei, pensando neles,
que não são barcos de ouro os meus ideais:
são feitos de papel, tal como aqueles,

perfeitamente, exatamente iguais...
-- que os meus barquinhos, lá se foram eles!
foram-se embora e não voltaram mais!


     A fragilidade precisa é eterna.

Karl Zipser



Resultado de imagem para karl zipser still life


Resultado de imagem para karl zipser still life



      Depois do cachimbo de René Magritte o valor dos motivos a pintar passou a ser relativo "uma coisa é ter nas mãos a imagem de um cavalo, outra é estar ao pé de um cavalo". Contudo, estas telas de natureza dita morta, estão para além dessa dicotomia. O relevo do volume dos frutos, o contraste luz sombra, o ângulo de incidência, a escolha da base e sobretudo a solidão do conjunto, tornam o todo da tela um exercício de tensão e harmonia. O pintor, Karl Zipser, nasceu em Nova Iorque, em 1969.

Lília Tavares

Resultado de imagem para tree png

Hoje acordei com a dor das árvores;
estou de pé e o meu tronco sustém
o vazio e a solidão dos ramos
côncavos de espera,
impacientes de ternura.
Quero o bracejar dos pássaros,
ser refúgio dos ventos que me procuram,
tornar-me na folhagem que te abriga,
ser o ninho na tua noite, aberto
com a inquietação e a serenidade
dos rumores das aves mais tardias.
Não, desta vez não vou ...


in, Parto com os ventos

           Juntar o animal à árvore, ao monte, ao céu, até ser o todo.

Sophia de Mello Breyner Andresen


Resultado de imagem para convergencia

Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.


             Apenas os poetas não fazem reajustamentos.

Peter Gabriel - The Book of Love



No amor basta o respeito.

Magda Goebbels




      A mulher que a propaganda nazi apresentava como modelo da mulher ariana era afinal filha do judeu Richard Friedländer, que veio a morrer em 1938 no campo de concentração de Buchenwald. Ironia da história. Afinal, o sangue puro de Johanna Maria Magdalena era "impuro". O unicórnio de porcelana voltou a partir-se.
     Para sempre, ficarão dentro de cada um de nós: Helga, Hildegard, Helmut (único rapaz), Holdine, Hedwig e Heidrun. Quando a Cruz Vermelha chegou ao bunker para levar as crianças, Magda terá respondido "Não, serão sempre as filhas de Goebbels!" e as cápsulas de cianeto foram maiores que a vida.

Dr. Hook & The Medicine Show - Sylvia's Mother




Sylvia's mother says, 'Sylvia's busy
Too busy to come to the phone'
Sylvia's mother says, 'Sylvia's tryin'
To start a new life of her own'
Sylvia's mother says, 'Sylvia's happy
So, why don't you leave her alone?'

And the operator says, '40 cents more for the next 3 minutes'
Please Mrs. Avery, I just gotta talk to her
I'll only keep her a while
Please Mrs. Avery, I just wanna tell 'er goodbye

Sylvia's mother says, 'Sylvia's packin'
She's gonna be leavin' today'
Sylvia's mother says, 'Sylvia's marryin'
A fella down Galveston way'
Sylvia's mother says, 'Please don't say nothin'
To make her start cryin' and stay'

Sylvia's mother says, 'Sylvia's hurryin'
She's catchin' the nine o'clock train'
Sylvia's mother says, 'Take your umbrella
Cause Sylvie, it's startin' to rain'
And Sylvia's mother says, 'Thank you for callin'
And, sir, won't you call back again?'


      A canção, escrita em 1972, tem sido mais do que um momento de ternura à la 60's para mim. O diálogo entre o jovem, a mãe de Sylvia, o operator, a espécie de monólogo dramático com Sylvia que nunca surge no discurso, criam um dramatismo que ilustra as perdas da adolescência: o fim da infância, o fim dos amores, a escolha da profissão, os livros para ler, as obras para ouvir. Em todos esses momentos houve sempre um operator que me repetia "40 cents more for the next 3 minutes". Em cada um havia um sinal de imortalidade.

Maria do Rosário Pedreira - À Avó


  

Ficou vazio o teu lugar à mesa. Alguém veio dizer-nos
que não regressarias, que ninguém regressa de tão longe.
E, desde então, as nossas feridas têm a espessura
do teu silêncio, as visitas são desejadas apenas
a outras mesas. Sob a tua cadeira, o tapete
continua engelhado, como à tua ida.
Provavelmente ficará assim para sempre.

No outro Natal, quando a casa se encheu por causa
das crianças e um de nós ocupou a cabeceira,
não cheguei a saber
se era para tornar a festa menos dolorosa,
se para voltar a sentir o quente do teu colo.


in, A Casa e o Cheiro dos Livros

Sonny Boy Williamson II - Keep it to Yourself



Darling, do me a favor
Keep your business to yourself
Please, darlin` do me a favor
Keep our business to yourself
I don`t want you to tell nobody in your family
And don`t mention to nobody else

Don`t tell your mother
Don`t tell your father
Don`t tell your sister
Don`t mention it to your brother
Please darlin` keep our business to yourself
Don`t tell nobody and don`t mention it to nobody else

You have a husband, I have a wife
If you start to talk that will mess up our lives
Please, please, baby
Keep our business to yourself
Don`t you tell nobody
Don`t make it to nobody else
god bye darlin` (spoken)

      Os blues despidos de orquestra, crus com guturais, são os mais genuínos. Depois, como diz uma amiga de longa data, é impossível ouvir blues "sem cair numa gaita". É este o caso. O texto fala da necessidade de manter assuntos em privado. 

Alejandra Pizarnik - Vertigens ou contemplação de qualquer coisa que termina




Este lilás desfolha-se.
De si mesmo cai
e oculta a sua antiga sombra.
Hei-de morrer de coisas assim.

in, Extracção da Pedra da Loucura


      Como a escritora, que nasceu na Argentina em 1936, se suicidou com 36 anos que dizer destes versos? "Acendo o corpo do poema com o meu corpo" dizia ela. A flor de lilás desfolhou-se mas se ocultou a sombra, tornou-se luz.

Malcolm X - Dictionary



      Tu existes. Tu importas. Tu tens valor. Tens todo o direito de usar um gorro, de te educares, de intervieres, de fazeres a arte do teu sangue quanto quiseres. Tens todo o direito de seres tu. E ninguém deverá impedir-te de seres tu. Tens de ser tu, como os outros. E nunca podes ter medo de seres tu.

"Não se pode separar paz de liberdade porque ninguém consegue estar em paz a menos que tenha sua liberdade."  Malcolm X

Marc Chagall - Le nu au-dessus de Vitebsk



"Cansei-me de tentar o teu segredo" 

    Camilo Pessanha

      O mistério dá luz ao lugar, à pessoa, à palavra e ao gesto. O seu exterior torna-se interior em silêncio fresco e calmo, provocando o ladrão mais que o ouro. De tão simples não envelhece e não precisa de orador. Como diz Adélia Prado "Deus é mais belo do que eu/ E não é jovem/ Isto sim, é consolo."

Ao encontro do pão maduro.



Guarda a beleza,
Dela nunca te percas.
Crê no Amor como nas estações.
Se a aflição te visitar,
Atira pedras ao rio,
Segura peixes, chora a tua humanidade.
Segue os pastores pelos montes,
Planta árvores, isso é muito importante.
Escreve uma história
Que nunca foi tua.
Não ignores quem te estende a mão na rua,
Dedica-lhe o teu tempo e atenção.
Tens saudades do mundo?
Vai à janela e grita, faz isso hoje.
Começa pelos pássaros, sempre pelos pássaros.

Guarda a beleza,

Ergue-a bem alto, de pulsos abertos
Contra a morte.

in, Poesia é fome com outro nome

      O detalhe da pintura é de Francesco del Cossa. Nele, dois olhos estão em vez de flores e significam as palavras do poema-menu de conselhos, para quem está a organizar um sentido de vida. O texto é de uma escritora que se identifica, apenas, como Manuela. Obrigado, Manuela.

Igor Ropyanyk






      Igor Ropyanyk nasceu na Ucrânia em 1957. As suas telas a óleo são famosas pelo modo realista como expõem as estações do ano no seu país. Há quem não as valorize por serem apenas simples, apenas paisagens sem elementos de tensão. Pois, é essa ausência que cria neste verde o silêncio, a serenidade e a paz. 

Pablo Fidalgo Lareo

Eu tinha duas vidas:
uma era uma pequena verdade,
a outra uma verdade absoluta.
Qual julgas que escolhi?

Sei que em minha casa a pureza
é regressar cheio de sangue.
Tu limpas-me o sangue
porque julgas saber de quem é.


in, Mis padres: Romeo y Julieta

      Pablo Lareo é galego, natural de Vigo, e coloca-nos uma adivinha cuja solução tem variáveis entre a Guerra Civil Espanhola e o Cristianismo. O "Tu" que limpa o sangue torna o seu dono impuro, mas não chega para definir a opção exigida.

Adeus, Marianne Ihlen




"You left when I told you I was curious,
I never said that I was brave."


A corda que liga o poeta à musa.


      "Então até logo, Marianne, é hora de começarmos a rir e a chorar e chorar e rir novamente sobre tudo". É com tristeza que recebo a noticia da morte de Marianne Ihlen, uma das primeiras musas de Leonard Cohen, a quem o poeta ia comprar carne fresca pela ilha de Hidra a troco de um 'gesto terno' ou de 'uma frase bonita'. Quase sempre, assumia por a mesa porque queria que ela o olhasse a ajustar a toalha de linho, a servir-lhe o vinho, a descascar-lhe a fruta. Na cama lia-lhe Nikolai Gogol até que, a altas horas, a perguntava "Queres ser a enfermeira do meu coração?" Ela, um dia, disse-lhe que sim.
      Hoje soube, que antes da hora da morte lhe enviou uma carta que dizia "Well Marianne, it's come to this time when we are really so old and our bodies are falling apart and I think I will follow you very soon. Know that I am so close behind you that if you stretch out your hand, I think you can reach mine. And you know that I've always loved you for your beauty and your wisdom, but I don't need to say anything more about that because you know all about that. But now, I just want to wish you a very good journey. Goodbye old friend. Endless love, see you down the road." Dois dias depois morreu e foi sepultada na cidade de Oslo.

Nuno Moura

Já um dia te matei.
foi com um caderno de trabalhos manuais
queimado.
trinta anos para te fazer dois furos
e arquivar-te com os essenciais da semana
no saco que a dona cristina nossa senhora porteira
entregou a um homem que veio num camião
grande.
em qualquer momento me rio
quando ouço nas outras celas 
comentários à cenografia do maçarico.


in, A Nova Asmática Portuguesa

      Cada ser humano mata o passado à sua maneira. Apenas um pequeno grupo o vai gerindo, relembrando com tristeza, o "camião grande" e a construção das paredes. 

The Hound + The Fox - The Moon Song



I'm lying on the moon
My dear, I'll be there soon
It's a quiet and starry place
Time's we're swallowed up
In space we're here a million miles away

There's things I wish I knew
There's no thing I'd keep from you
It's a dark and shiny place
But with you my dear
I'm safe and we're a million miles away

We're lying on the moon
It's a perfect afternoon
Your shadow follows me all day
Making sure that I'm
Okay and we're a million miles away.

     Quando Bob Dylan escreveu Shelter From the Storm, a força dos versos e da melodia residia no conteúdo social e politico solidário, o dar abrigo a quem era vitima da força dos ventos nesse tempo. O mesmo acontecia na canção de Sérgio Godinho Romance de um dia na estrada. A nova geração também escreve 'canções de abrigo', mas retira-lhe o conteúdo social reduzindo as estrofes a canções de amor simples e doces. 
     Há quem defenda que é melhor assim, que a intervenção social não é música, que uma canção não é um comício, que os Vitor Jaras foram falsos cantores. Os que traçam esses limites incentivam, impõem e controlam.

Kilkelly - Irish emigration to the USA in the mid 1800s, after the famine



      'Back in the 1970s or early 1980s, Peter Jones, an American-born composer whose great-grandfather was John Coyne from the general Kilkelly area, found a batch of old letters tied together in a box in the attic of his parents home in America. These letters had all been posted in Kilkelly and as he poured through them he was overcome with the emotion which re-united him in an extraordinary way with the land of his forebearers. 
      The end result of Peters deliberations was Kilkelly, Ireland, the poignant story of a father who sees his sons emigrate from Mayo to America, never to return. But the words of friendship he so lovingly despatched, with the help of Pat McNamara his friend, convey so much beauty and hidden heartache that they stand out in the classic mould. 
      The words in the song are taken directly from Mr. Coynes letters as dictated to Pat McNamara and thus carry a powerful resonance which cannot fail to touch the psyche of people raised here in the rural West. A whole history of a family is unfurled before our eyes . And the song finishes with the remarkably touching lines of the brother at home finally taking over the fathers duties in writing to the lad in America - And its funny the way he kept talkin about you, he called for you at the end. 
       The song was first recorded here by Danny Doyle and a number of other versions, including one by Jimmy Whittington from Charlestown, have also been put on albums. Peter Jones, the writer of the song, visited Kilkelly a few years ago and was honoured by the locals on that occasion.'

      in, Western People

      Enquanto o crescimento económico era visível na Europa nos anos 40 do séc XIX, a Irlanda católica morria de fome entre 1845 e 1852. Um fungo, o potato blight, destruiu plantações inteiras de batata que era a base da alimentação. A cor esmeralda da ilha murchou tanto que estima-se num milhão de pessoas que morreram à fome, sendo outros obrigados a imigrar para a Inglaterra e para os Estados Unidos. 
      Esta canção leva-nos até esse tempo (ou melhor, a um tempo posterior entre 1860 e 1892), onde através de cartas datadas enviadas pelo pai se narra a história de uma família que vivia em Kilkelly, no noroeste da ilha.

Paul Peel - Young Biologist




      Uma path painting onde a curva à direita sugere o desconhecido. Essa exploração dos caminhos de amanhã não será para já: a criança, a rã, o leite e a roda valem por contemplação. É ainda primavera.   

Carl Sagan's famous 'The Pale Blue Dot' speech



      "Look again at that dot. That's here. That's home. That's us. On it everyone you love, everyone you know, everyone you ever heard of, every human being who ever was, lived out their lives. The aggregate of our joy and suffering, thousands of confident religions, ideologies, and economic doctrines, every hunter and forager, every hero and coward, every creator and destroyer of civilization, every king and peasant, every young couple in love, every mother and father, hopeful child, inventor and explorer, every teacher of morals, every corrupt politician, every "superstar," every "supreme leader," every saint and sinner in the history of our species lived there-on a mote of dust suspended in a sunbeam.

     The Earth is a very small stage in a vast cosmic arena. Think of the rivers of blood spilled by all those generals and emperors so that in glory and in triumph they could become the momentary masters of a fraction of a dot. Think of the endless cruelties visited by the inhabitants of one corner of this pixel on the scarcely distinguishable inhabitants of some other corner, how frequent their misunderstandings, how eager they are to kill one another, how fervent their hatreds. Think of the rivers of blood spilled by all those generals and emperors so that, in glory and triumph, they could become the momentary masters of a fraction of a dot.

      Our posturings, our imagined self-importance, the delusion that we have some privileged position in the Universe, are challenged by this point of pale light. Our planet is a lonely speck in the great enveloping cosmic dark. In our obscurity, in all this vastness, there is no hint that help will come from elsewhere to save us from ourselves.

      The Earth is the only world known so far to harbor life. There is nowhere else, at least in the near future, to which our species could migrate. Visit, yes. Settle, not yet. Like it or not, for the moment the Earth is where we make our stand.

      It has been said that astronomy is a humbling and character-building experience. There is perhaps no better demonstration of the folly of human conceits than this distant image of our tiny world. To me, it underscores our responsibility to deal more kindly with one another, and to preserve and cherish the pale blue dot, the only home we've ever known."

      Carl Sagan, Pale Blue Dot: A Vision of the Human Future in Space

Maria José Botelho

Foram ver o mar e as dunas ainda intactas
e ele disse: o mais difícil é admitir que tudo o que existe
é indiferente à nossa inteligência.

Paulo Leminski - Problemas resolvidos por decreto



No fundo, no fundo,
bem lá no fundo,

a gente gostaria
de ver os nossos problemas
resolvidos por decreto

a partir desta data,
aquela mágoa sem remédio
é considerada nula
e sobre ela — silêncio perpétuo

extinto por lei todo o remorso,
maldito seja quem olhar p'ra trás,
lá p'ra trás não há nada,
e nada mais

mas os problemas não se resolvem,
os problemas têm família grande,
e aos domingos
saem todos a passear
o problema, sua senhora
e os outros pequenos probleminhas.

      Dizem por aí 'Deus gosta de testar a nossa capacidade de sofrer, para partilhar connosco as dores que teve na cruz"; outros dizem 'Um problema é uma oportunidade. Queixas?'; outros 'Quanto mais pressão, melhor me sinto!'. Que bom que é ler um poema assim.

Marguerite Duras - L' amant



      (...) Muito cedo na minha vida foi tarde demais. Aos dezoito anos era já tarde demais. Entre os dezoito e os vinte e cinco anos o meu rosto partiu numa direcção imprevista. Aos dezoito anos envelheci. Não sei se é assim com toda a gente, nunca perguntei. Parece-me ter ouvido falar dessa aceleração do tempo que nos fere por vezes quando atravessamos as idades mais jovens, mais celebradas da vida. Este envelhecimento foi brutal. (...)

       Marguerite Duras

      O Amante é o resumo das experiências de uma vida intensa, um livro (e filme) extremamente denso e, sobretudo, estranho. Trata-se do livro que deu a Marguerite Duras o Prémio Goncourt, na França, em 1984. Para narrar a sua vida, a autora parte da observação sobre o seu rosto, actualmente: "Tenho um rosto dilacerado por rugas secas e profundas, sulcos na pele. Não é um rosto desfeito, como acontece com pessoas de traços delicados, o contorno é o mesmo mas a matéria foi destruída." 
      No momento do filme, a menina branca de quinze anos destapa um pouco da sua intimidade que levaria à sua iniciação sexual, aos quinze anos e meio, com um chinês rico de Saigão, doze anos mais velho que ela. É o carro que faz a sedução e a janela de vidro fechada simboliza os 'quases' mas 'nada' que a vida de cada um tem.  

José Miguel Silva



É mais que certo: não sinto a tua falta.
Fiquei a tarde toda a arrumar os teus papéis,
a reler as cinco cartas que me foste endereçando
na semana que perdemos: tu no Alentejo,
eu debaixo de água. Fui depois regar as rosas
que deixaste no quintal. Sempre só e sem
carpir o meu estado (porque não me fazes falta),
pus o disco da Chavela que me deste no Natal
e comecei a preparar o teu prato preferido.
Cozinhar fez-me perder o apetite; por isso
abri uma garrafa de maduro e não me custa
confessar-te que não sinto a tua falta.
Por volta das dez horas, obriguei-me a recusar
dois convites p'ra sair (aleguei androfobia)
e estou neste momento a recortar a tua imagem
(não me fazes falta) nas fotos que possuo de nós dois,
de maneira a castigar com o cesto dos papéis
a inábil idiota que deixou que tu te fosses.

      A casa, os móveis, os objectos em vez de nós, tornam-nos cada vez mais sozinhos. É uma pena não nos abraçarmos.

Mon Roi, Maïwenn, 2015









      A arte ajuda-nos a construir os afectos tal como a maior parte das coisas belas da vida. Aos poucos personalizamos a Grande Dádiva. Contudo, a banalização dos conteúdos maiores pode ser a causa de quase tudo aquilo que nos torna infelizes.

Arquivo do blogue