Ao dar uma volta pela globalidade do blogue notei que 2 em 4 vídeos foram desactivados, muitas imagens desapareceram e um número considerável de posts achei-os fracos em temos de beleza e informação. Não sei se vale a pena continuar. 130.000 visitantes e + ou - 80 visitantes diários fazem-me pensar duas vezes. É um hábito de 30 m diários que gosto de manter. Que fazer? 

António Reis

Penso se é ainda
a infância que dura
ao comer em silêncio
a carne no pão

E tu imitas o pai
julgando que apenas
estou a brincar

in, Poemas quotidianos

José Gomes Ferreira

X

E ficámos para sempre nos olhos das aves
naquela noite em que os corações das flores
bateram no chão das nossas sombras.

Mas eras tu de facto que ias a meu lado?

Ou o meu sonho de ti
num corpo aproveitado?

in, Poesia III

    De um militante comunista.

Emily Portman - Two Sisters




Two little sisters living in a bower
Oleander yolling
The youngest was the fairest flower
Down by the waters rolling

A noble knight came riding by
Oleander yolling
Two little sisters caught his eye
Down by the waters rolling

And he courted the eldest with diamonds and rings
Oleander yolling
The other he loved above all things
Down by the waters rolling

"Sister, sister, come down to the broom
Oleander yolling
We'll hear the black birds change their tune
Down by the waters rolling."


So she took her sister by the hand
Oleander yolling
And led her down to the river strand
Down by the waters rolling

And as they stood at the river's brim
Oleander yolling
The eldest pushed her sister in

"Sister, sister, reach me your hand
Oleander yolling
And you'll be the heir to my riches and land
Down by the waters rolling."

"Oh Sister, sister, that will never be
Oleander yolling
Till salt and oatmeal grow of a tree
Down by the waters rolling."

"Oh sister, sister, lend me but your glove
Oleander yolling
And you shall have my own true love
Down by the waters rolling."

"It's your own true love I'll have and more
Oleander yolling
But you shall never come to shore

For your cherry cheeks and your long yellow hair
Oleander yolling
Made me a maid for evermore."

Sometimes she sank, sometimes she swam
Oleander yolling
Till she came to a miller's dam
By the waters rolling

The miller and his daughter stood at the door
Oleander yolling
And watched her body floating to shore
Down in the waters rolling

"Oh father, father, draw your dam
Oleander yolling
For it's either a mermaid or a swan
Down in the waters rolling."

The miller he dragged her out on to the shore
Oleander yolling
And he stripped her of all that she wore
Down in the waters rolling

He laid her body on the bank to dry,
Oleander yolling
A minstrel he came riding by
Down by the waters rolling

And he made a harp of her breast-bone
Oleander yolling
Whose sound could melt a heart of stone

He took three locks from her long yellow hair
Oleander yolling
With them strung a harp so rare
Down by the waters rolling

And he took the harp to the king's high hall
Oleander yolling
There was the court assembled all
Down by the waters rolling

And he laid the harp there upon a stone,
Oleander yolling
The harp began to play alone.

But the only tune that the harp would play was
Oleander yolling
The only tune that the harp would play
Down by the waters rolling

It sang: "Yonder sits my love the king,
Oleander yolling
How he'll weep at my burying,
By the waters rolling

And yonder sits my sister the queen
Oleander yolling
She drownèd me in the cold, cold stream,
Down in the waters rolling"


      O rio e pedaços de vidas.

Eugénio de Andrade

Só as tuas mãos trazem os frutos.
Só elas despem a mágoa
destes olhos, choupos meus,
carregados de sombra e rasos de água.

Só elas são
estrelas penduradas nos meus dedos.
- Ó mãos da minha alma,
flores abertas aos meus segredos.

in, As mãos e os frutos

     Poema do amor que recebe e dá tudo.

Sophia de M. B. Andersen

O meu país sabe as amoras bravas
no verão.

Ninguém ignora que não é grande,
nem inteligente, nem elegante o meu país,
mas tem esta voz doce
de quem acorda cedo para cantar nas silvas.

Raramente falei do meu país, talvez
nem goste dele, mas quando um amigo
me traz amoras bravas
os seus muros parecem-me brancos,
reparo que também no meu país o céu é azul.

     Falta em casos, apenas, o respeito pelo outro.

Michael Ball and Imelda Staunton - Sweeney Todd



      ‘Sweeney Todd, the Demon Barber of Fleet Street’ é uma peça de teatro musical inspirada no livro de Hugh Wheeler, com música e adaptação de Stephen Sondheim, cujo enredo se baseia numa lenda local criada por Christopher Bond. Em 2007, a peça esteve em cena na Broadway e recentemente foi adaptada ao cinema.
      Para uma melhor compreensão, aqui vai o texto da sequência do vídeo:

Mrs. Lovett: Business needs a lift, debts to be erased. Think of it as thrift, as a gift! If you get my drift... No, seems an awful waste... I mean, with the price of meat. What it is, when you get it... if you get it...

Sweeney Todd: "ah!"

Mrs. Lovett: good, you got it! Take for instance, Mrs. Mooney and her pie shop! Business never better, using only pussycats and toast! Now a pussy's good for maybe six or seven at the most! And I’m sure they can't compare as far as taste!

Sweeney Todd: Mrs. Lovett, what a charming notion!

Mrs. Lovett: Well, it does seem a waste...

Sweeney Todd: Eminently practical and yet appropriate as always! Mrs. Lovett, how I live did without you all these years I'll never know! How delectable! Also undetectable! How choice! How rare!

Mrs. Lovett: Think about it! Lots of other gentlemen'll soon be comin' for a shave. Won't they? Think of all them pies!

Sweeney Todd: What's the sound of the world out there?

Mrs. Lovett: What, Mr. Todd? What, Mr. Todd? What is that sound?

Sweeney Todd: Those crunching noises pervading the air!

Mrs. Lovett: Yes, Mr. Todd! Yes, Mr. Todd! Yes, all around!

Sweeney Todd: It's man devouring man, my dear

Both: And who are we to deny it in here?

Mrs. Lovett: It's priest. Have a little priest

Sweeney Todd: Is it really good?

Mrs. Lovett: Sir, it's too good, at least! Then again, they don't commit sins of the flesh. So it's pretty fresh

Sweeney Todd: Awful lot of fat?

Mrs. Lovett: Only where it sat.

Sweeney Todd: Haven't you got poet or something like that?

Mrs. Lovett: No, you see, the trouble with poet is, how do you know it's deceased? Try the priest!

Mrs. Lovett: "Lawyer's rather nice"

Sweeney Todd: If it's for a price.

Mrs. Lovett: Order something else, though, to follow since no one should swallow it twice!

Sweeney Todd: Anything that's lean?

Mrs. Lovett: Well, then, if you're British and loyal. You might enjoy royal marine! Anyway, it's clean. Though of course, it tastes of wherever it's been!

Sweeney Todd: Is that squire. On the fire?

Mrs. Lovett: Mercy no, sir, look closer, you'll notice it's grocer!

Sweeney Todd: Looks thicker more like vicar!

Mrs. Lovett: No, it has to be grocer... It's green!

Sweeney Todd: The history of the world, my love...

Mrs. Lovett: Save a lot of graves. Do a lot of relatives favours.

Sweeney Todd: Is those below serving those up above!

Mrs. Lovett: Everybody shaves. So there should be plenty of flavours!

Sweeney Todd: How gratifying for once to know

Both: That those above will serve those down below!

Sweeney Todd: "What is that?"

Mrs. Lovett: It's fop, finest in the shop or we have some shepherd's pie peppered with actual shepherd on top! And i've just begun... Here's the politician, so oily. It's served with a doily. Have one!

Sweeney Todd: Put it on a bun. Well, you never know if it's going to run!

Mrs. Lovett: Try the friar Fried, it's drier!

Sweeney Todd: No, the clergy is really too coarse and too mealy!

Mrs. Lovett: Then actor. It's compacter!

Sweeney Todd: Yes and always arrives overdone. I'll come again when you have judge on the menu! Have charity towards the world, my pet!

Mrs. Lovett: Yes, yes, i know, my love!

Sweeney Todd: We'll take the customers that we can get!

Mrs. Lovett: High-born and low, my love

Sweeney Todd: We'll not discriminate great from small. No, we'll serve anyone… meaning anyone.

Mrs. Lovett: We'll serve anyone

Both: And to anyone, at all!

Sandro Botticelli - Madonna of the Magnificat, 1481






      Esta pintura retrata a Virgem Maria no momento de ser coroada por dois anjos. Ela está a escrever a parte inicial do Magnificat na página direita do livro e na parte esquerda pode ler-se parte do Benedictus. Ainda, numa das mãos, ela segura uma romã. Muito belo. A obra encontra-se nas galerias Uffizi, em Florença.

Cecília Meireles - Interlúdio

As palavras estão muito ditas
e o mundo muito pensado.
Fico ao teu lado.


Não me digas que há futuro
nem passado.
Deixa o presente — claro muro
sem coisas escritas.


Deixa o presente. Não fales,
Não me expliques o presente,
pois é tudo demasiado.


Em águas de eternamente,
o cometa dos meus males
afunda, desarvorado.


Fico ao teu lado.


      Pensar tudo pode matar tudo. É a partir do nada simples que se pode chegar a tudo.  

Bach Matthew Passion Chorale Settings - O Haupt voll Blut und Wunden



Erkenne mich, mein Hüter,
Mein Hirte, nimm mich an!
Von dir, Quell aller Güter,
Ist mir viel Gut's getan.
Dein Mund hat mich gelabet
Mit Milch und süßer Kost;
Dein Geist hat mich begabet
Mit mancher Himmelslust.

      Melodia e texto "Para a Glória de Deus" como Bach gostava.



Because all men are brothers wherever men may be
One Union shall unite us forever proud and free
No tyrant shall defeat us, no nation strike us down
All men who toil shall greet us the whole wide world around.

My brothers are all others forever hand in hand
Where chimes the bell of freedom there is my native land
My brother's fears are my fears yellow white or brown
My brother's tears are my tears the whole wide world around.

Let every voice be thunder, let every heart beat strong
Until all tyrants perish our work shall not be done
Let not our memories fail us the lost year shall be found
Let slavery's chains be broken the whole wide world around.

      A mesma melodia mas outro texto "Para a Glória do Homem" nas vozes dos Peter Paul and Mary. Ambas as versões dignificam a beleza.

Rosa Maria Martelo - Branco

Interessa-me o inconcreto branquejar
da roupa no estendal (o branco, não)

mais do que o peso da água, ver
que o nada não se vê na água a evaporar

na luz do tecido em contraluz interessa-me
o vazio suspenso do vazio
quando a roupa enforma ao vento e sobe
no arame, interessa o risco que sustém a louca nave,
os voos desabitados e a pequena hora de ninguém.

in, A Ponte afunda-se no rio

      Do caos e do nada pode surgir sempre alguma coisa.

Nuno Júdice

Amei-te nas fotografias obscenas de
um limiar de acasos, quando a tua voz
desmaiava numa eclosão de ecos. E uma
colcha de silêncios tapou a tua nudez; o inútil
flash da madrugada iluminou os teus olhos; e,
de repente, o sol nasceu de uma enseada
de cabelos, e subiu pelas cortinas do quarto;
lentamente, encostaste a curva do teu joelho
à sombra da parede como se ali ficasse,
no vazio do gesso, a cor da tua pele.

in, Fórmulas de uma luz inexplicável

      Aos poemas de Nuno Júdice falta-lhe um pouco mais de simplicidade. Menos palavras. Habitualmente têm uma mancha gráfica muito compacta. Gosto deste. Onde há luz, há sombra.

Aldina Duarte - Princesa prometida



Há um véu no meu olhar
Que a brilhar dá que pensar
Nos mistérios da beleza
Espelho meu que aconteceu
Do que é teu e do que é meu
Já não temos a certeza.

A moldura deste espelho 
Espelho feito de oiro velho
Tem os traços duma flor
Muitas vezes foi partido
Prometido e proibido
Aos encantos do amor.

Espelho meu diz a verdade
Da idade da saudade
À mulher envelhecida
Segue em frente na memória 
Mata a glória dessa história
Da princesa prometida.

      O texto faz parte do CD 'Mulheres ao Espelho'. As 'princesas prometidas' não deveriam acabar porque há também 'príncipes prometidos' que nos vêm das histórias infantis. Poetizar o amor na vida dá-lhe qualidade.   

Criticas ao velho Clube dos Poetas Mortos


      Há dois equívocos no filme: um é que a obra dá a entender que a "poesia é apenas emoção, uma emoção anti-razão, uma emoção não filtrada pelo intelecto. É como se a poesia fosse sinónimo de sinceridade, de pureza, de mera inspiração não conspurcada pelo trabalho intelectual. É como se escrever consistisse apenas no abrir da corrente de pensamento, é como se escrever não fosse um lento garimpar das palavras. Outro é que nela se "proclama o império da criatividade sobre o trabalho disciplinado, sobre a memória, sobre o conhecimento."

      Henrique Raposo, cronista do jornal Expresso

    "Penso que Henrique Raposo só agora percebeu estes dois equívocos porque, apesar de terem "barbas brancas", nos anos oitenta e noventa do passado século, na altura em que o filme foi visto por toda a gente, eles estavam no seu apogeu. As antinomias: "ensino versus aprendizagem" e "criatividade versus memória", ou, por outras palavras, os alunos "só aprendem se não forem ensinados" e "só criam se não tiverem conhecimentos" eram dois lemas (melhor, dogmas) "pedagógicos" completamente infiltrados no pensamento social. Não se pensava fora destes deles. E se alguém ousasse fazê-lo era imediatamente advertido da inconveniência da sua atitude. Ainda hoje é assim, aliás. Sobretudo se falamos de poesia".
      Mas para que o alunos manifestem as suas potencialidades criativas, diz, e diz bem, Henrique Raposo, "é preciso um trabalho de apreensão de conhecimento, de memorização, um trabalho que requer humildade perante o mundo exterior ao eu".

      Dra. Maria Helena Damião


































      Para mim John Keating é uma referencia pelo modo como incentiva e faz com que os seus alunos acreditem neles próprios. É certo que "agricolare agricolice, agricolare agricolice" pode ser preciso; o célebre capítulo 'Compreender Poesia' de Dr. J. Evans Pritchard pode ser referência, mas mais importante é o fermento que vai criar o pão.
      Na cena que 'printscreenei', um dos alunos, o Anderson, não fez o trabalho de casa que consistia em criar um pequeno poema, e o professor Keating leva o aluno encontrar o "stream of consciousness", o seu "well of creativity".
      Uma vez li, que só se deveria fazer arte a partir dos 50 ou 60 anos. Talvez por isso, consumimos livros e não escrevemos livros; vamos a exposições de pintura mas não pintamos; compramos música mas não a criamos. O filme não é inocente e o capital sabe bem porquê.  

Safo

Quem é belo
é belo aos olhos
- e basta.

Mas quem é bom
é subitamente belo.


in, Líricas em Fragmentos

Winnie the Pooh


      Dar pontos em algo que pode ser remendado ou bordar para relaxar e embelezar. É suficiente para se ter um bom dia.

Arcangelo Corelli - O Ensemble Laura Soave interpreta o Concerto Grosso op. VI



      O Ensemble Laura Soave é composto pelos seguintes elementos: Claudia Combs e Nicholas Robinson, nos violinos; Diego Cantalupi, no theorbo, e Davide Pozzi, no harpsichord. O concerto de Corelli tem quatro andamentos e este é o primeiro. Note-se a qualidade da execução e a alegria que o todo emana. 

Catarina Nunes de Almeida

agora a mulher estava no plural
a mulher era potável
a mulher escrevia o missal do seu corpo

um dia o anjo disse - vai à fábula -
então a mulher escolheu escrupulosamente o seu pé esquerdo 
e foi.

in, Marsupial

    Como diz a escritora Clarissa Pinkola, as mulheres precisam de correr junto aos lobos.

Inês Dias

Quero-te assim.
Com as pernas que nunca tive
para te seguir
e todos os dedos que fui
amputando, do lado do coração,
em castigo por não te saber tocar.

Assim, de cabeça finalmente perdida
para te explicar apenas
o essencial -

não há palavras
suficientes a este amor.
E um poema, mesmo de pedra,
também passa, a menos que
te ganhe para sempre os olhos.

in, In Situ

      Quando a palavra não chega para seduzir o homem, a poetisa usa o corpo. Nada de novo. 

Arquivo do blogue