Hino dos mineiros de Aljustrel



                            para Dolores Ibárruri

Nas minas de São João
Morreram quatro mineiros
Vê lá, vê lá companheiro
vê lá, vê lá, como venho eu

Eu traga a cabeça aberta 
que me abriu uma barrena
Vê lá, vê lá companheiro
vê lá, vê lá, como venho eu

Eu trago a camisa rota
E sangue dum camarada
Vê lá, vê lá companheiro
vê lá, vê lá, como venho eu

Ó Senhora Santa Bárbara
Padroeira dos mineiros
Vê lá, vê lá companheiro

vê lá, vê lá, como venho eu.

      Inspirado nas canções vermelhas dos Republicanos espanhóis derrotados por Franco ou nos 'ensembles da Córsega e da Sardenha', esta melodia, pungente, relembra o valor interventivo da poesia e da canção.

Federico Fellini - Ensaio de Orquestra



      A metáfora do filme 'Ensaio de Orquestra' remetia para a Itália confusa e mal governada dos anos 70. Passadas quatro décadas remete, agora, para a Europa onde ninguém se entende. Será das pautas? Dos maestros? Dos músicos? Dos instrumentos? Do sindicato? O todo não afina. A Inglaterra é o flicornio.

Eunice Munoz recita Eugénio de Andrade




      Aos poucos, entre a prudência e o medo, entre a hesitação e o avanço se constrói a frágil autonomia da vida. Aqui, onde Eu génio e Eu nice se juntam quase perfeitos.

Mario Montalbetti - Objecto e finalidade do poema


É de noite e ele precisa de aterrar
antes que se acabe o combustível.
Assim terminam todos os seus poemas
tentando exprimir numa linguagem pública
um sentimento privado.

A sua ambição é a linguagem do piloto
falando para os passageiros
a meio de uma situação desesperada:
parte engano, parte esperança, em parte verdade.

Todos os poemas terminam de forma igual.
Feitos em pedaços contra um morro escurecido
que não estava nos mapas.

E logo falam os destroços: a fuselagem,
a cauda como sempre, intacta,
o cheiro de coisa queimada consumida pelo fogo.

Porque nenhuma palavra sobrevive.


    in, El lenguage es un revolver para dos

   Nenhuma ars poetica deve celebrar, apenas, o lado obscuro. A poesia confinará sempre à liberdade, à coesão ou fragmentação, à coerência, à razão e emoção, mas terá de celebrar a beleza e a alegria que a vida tem.

Anne Stevenson - Depois da Queda



Adão:
Senhora
não tive sequer um momento de amor
desde que fui expulso.
Deixai-me entrar.


Eva:
Senhor
nunca mais tive um minuto de descanso
desde o tempo em que fui costela.
Devolvei-me ao lugar!

       in, After the Fall

      Orvieto é uma comuna italiana da região da Umbria. É lá que se encontra esta escultura, inserida num grupo escultórico mais vasto, na catedral da Assunção. Deus adormece o homem para criar a sua companheira. O poema da senhora Anne Stevenson refere as consequências.

Fan Ho






      Um dos maiores mestres da fotografia chinesa morreu no passado dia 16 de junho, 2016. Nascido em 1937, Fan Ho trocou Xangai por Hong Kong em 1949 quando tinha 21 anos, e lançou-se na arte como autodidacta. À época o território chinês encontrava-se em fase de transição, pois acabara de emergir da ocupação japonesa da II Guerra Mundial e retornava ao controle colonial britânico. Ho tornou-se mestre da luz em preto e branco, da escolha do ângulo, da paciência e da urbanidade de Hong Kong. Alguns dos seus cliques são eternos.

1 Re 19,16b.19-21

 
Leitura do Primeiro Livro dos Reis

Naqueles dias, disse o Senhor a Elias: «Ungirás Eliseu, filho de Safat, de Abel-Meola, como profeta em teu lugar». Elias pôs-se a caminho e encontrou Eliseu, filho de Safat, que andava a lavrar com doze juntas de bois e guiava a décima segunda. Elias passou junto dele e lançou sobre ele a sua capa. Então Eliseu abandonou os bois, correu atrás de Elias e disse-lhe: «Deixa-me ir abraçar meu pai e minha mãe; depois irei contigo». Elias respondeu: «Vai e volta, porque eu já fiz o que devia». Eliseu afastou-se, tomou uma junta de bois e matou-a; com a madeira do arado assou a carne, que deu a comer à sua gente. Depois levantou-se e seguiu Elias, ficando ao seu serviço.

Palavra do Senhor.

   Deus tem propósitos de radicalidade, quem deixa o arado não deve olhar para trás. É assim a fé, a dedicação aos outros, a ciência e a arte.   

Virginia Woolf - The Last letter




macrolit:
“On this day (28 March) in 1941, Virginia Woolf filled the pockets of her overcoat with rocks and walked into the River Ouse near her home. She left this suicide/love letter for her husband Leonard.
Dearest,
I feel certain I am going mad...

      No dia 28 de março de 1941, Virginia Woolf encheu os bolsos do sobretudo inglês com pedras e caminhou para o Rio Ouse, perto da sua casa, para se suicidar. Um pouco antes, ela deixou esta carta de amor para o seu marido Leonard.

      Dearest,

I feel certain I am going mad again. I feel we can’t go through another of those terrible times. And I shan’t recover this time. I begin to hear voices, and I can’t concentrate. So I am doing what seems the best thing to do. You have given me the greatest possible happiness. You have been in every way all that anyone could be. I don’t think two people could have been happier till this terrible disease came. I can’t fight any longer. I know that I am spoiling your life, that without me you could work. And you will I know. You see I can’t even write this properly. I can’t read. What I want to say is I owe all the happiness of my life to you. You have been entirely patient with me and incredibly good. I want to say that – everybody knows it. If anybody could have saved me it would have been you. Everything has gone from me but the certainty of your goodness. I can’t go on spoiling your life any longer.

      I don’t think two people could have been happier than we have been.


        Virginia

Emily Dickinson - I died for Beauty




Morri pela Beleza - mas mal 
me adaptara ao Túmulo
Já Alguém que morrera pela Verdade, jazia
no Quarto ao lado - e para cúmulo

Me perguntou suavemente "Porque fracassei"?
"Pela Beleza", repliquei -
"Eu - pela Verdade - disse, são Ambas Uma Só"-
Somos da mesma Irmandade.

E então, como Sábios que encontram a Noite
Fomos conversando entre nossos Leitos-
até que o Musgo nos assomou aos lábios-
E cobriu da mesma morte - os nossos nomes -


 Tradução livre de Teresa Borges do Canto

 A verdade, a beleza e o amor são Um só, mas o mais importante dentre eles é o Amor. Tudo d'ele deriva, seja Deus, o Universo ou Nós próprios.

6 anos, sem o meu pai



O escritor norueguês Karl Ove Knausgard, em A Ilha da Infância, diz "Pode então parecer que a morte se distribui por dois sistemas diferentes. Um está relacionado com a ocultação e a discrição, a terra e a escuridão, o outro com a transparência e a leveza, o éter e a luz."

    Amo-te.
    A palavra que faz chorar.

Ludovico Einaudi - Elegía para o Ártico




      O prestigiado pianista italiano Ludovico Einaudi toca sobre uma plataforma flutuante em frente ao glaciar Wahlenbergbreen, em Svalbard, na Noruega. O verão de 2013 foi "incomunemente frio" o que permitiu haver um menor degelo na Gronelândia e reforçar a esperança. O silêncio e a música continuam a prevenção.

Manoel de Barros



No descomeço era o verbo.
Só depois é que veio o delírio do verbo.
O delírio do verbo estava no começo, lá onde a
criança diz: Eu escuto a cor dos passarinhos.
A criança não sabe que o verbo escutar não funciona
para cor, mas para som.
Então se a criança muda a função de um verbo, ele delira.
E pois.
Em poesia que é a voz do poeta, que é a voz de fazer
nascimentos -
O verbo tem que pegar delírio.

 in, Livro das Ignorãças

 Sinédoque ou sinestesia?

e.e. cummings




que o meu coração esteja sempre aberto às pequenas
aves que são os segredos da vida
o que quer que cantem é melhor do que conhecer
e se os homens não as ouvem estão velhos

que o meu pensamento caminhe pelo faminto
e destemido e sedento e servil
e mesmo que seja domingo que eu me engane
pois sempre que os homens têm razão não são jovens

e que eu não faça nada de útil
e te ame muito mais que verdadeiramente
nunca houve ninguém tão louco que não conseguisse
chamar a si todo o céu como um sorriso

      Versos com tanto sentido de vida que se podem cruzar com os de Paul Simon "I’m OK the way things are, I pull my stool up to the bar at Horace And Pete’s. Sometimes I wonder why do we tear ourselves to pieces? I just need some time to think or maybe I just need a drink at Horace And Pete’s."

Pablo Neruda


Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
uniram-se aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca
e floresceram comigo.

   Pablo Neruda escreveu "Se nada nos salvar na morte, ao menos que o amor nos salve na vida."

Leonard Cohen - Lullaby




Sleep baby sleep
The day's on the run
The wind in the trees
Is talking in tongues

If your heart is torn
I don't wonder why
If the night is long
Here's my lullaby.

Well the mouse ate the crumb
Then the cat ate the crust
Now they've fallen in love
They're talking in tongues

Sleep baby sleep
There's a morning to come
The wind in the trees
They're talking in tongues

    O que significará "The wind in the trees is talking in tongues"? Decerto não se refere à torre de Babel. A melodia serena conforta a criança que dorme sossegada, uma vez que "If your heart is torn I don't wonder why". É proibido perturbar, mas a vida é o que é.

Johann Wolfgang von Goethe - Prometeu



Cobre o teu céu, ó Zeus,
De vapores de nuvens!
E ensaia, como um rapaz
Que decapita cardos,
As tuas artes em carvalhos e cumes!
A minha terra, essa
Tens de deixar-ma,
E a minha cabana,
Que não construíste,
E o meu lume,
Cujo fogo
Me invejas.

Nada conheço de mais pobre
Sob o Sol que vós, deuses.
Mal conseguis alimentar
Com tributos de oferendas
E o sopro de orações
A vossa majestade,
E morreríeis à míngua se não
Fossem crianças e pedintes,
Loucos cheios de esperança.

Quando eu era criança,
Sem saber que pensar nem que fazer,
Voltava para o Sol os olhos
Perdidos, como se lá em cima houvesse
Um ouvido para o meu lamento,
Um coração como o meu
Para se compadecer dos oprimidos.

Quem me ajudou contra
A arrogância dos Titãs?
E da morte quem me salvou,
Da escravidão?
Não fizeste tu tudo sozinho,
Coração, com teu fogo sagrado?
E não ardeste tu, jovem e bom,
Enganado, dando graças de salvação
Aos deuses adormecidos lá em cima?

Eu, venerar-te? Para quê?
Aliviaste tu alguma vez
As dores dos que sofrem?
Alguma vez secaste as lágrimas
Dos angustiados?
E quem forjou em mim o Homem, se não
O Tempo todo poderoso
E o Destino eterno,
Meus e teus senhores?

Pensaste porventura
Que eu havia de odiar a vida,
Fugir para os desertos,
Porque não deram fruto todos os sonhos
Que despontaram na aurora da juventude?
Aqui estou eu, criando Homens
À minha imagem,
Uma estirpe igual a mim,
Que sofra e chore,
Goze e se alegre,
E te não respeite,
Como eu.


      Depois de Paulo Quintela surge a tradução de João Barrento para um dos maiores poemas da literatura alemã e europeia. Como respeitar as divindades se a humanidade continua sua escrava, mesmo depois de lhes termos roubado o fogo? Com ele, os homens continuam a ser apenas homens. Que os deuses não tenham receio.

Raymond Guérin



      Devo dizer, para ser franca, que já várias vezes tinha acedido a sair com ele. Não para ir ao baile. Ele dizia que não gostava de dançar. Na realidade, não sabia. Mas não me impedia que o fizesse. Eu também não gostava por aí além de dançar. […] Preferia ir até ao campo com ele. Ora me levava a Saint-Germain, ora a Fontainebleau, ora à beira do Sena ou do Marne. Alugávamos um barco. Ele remava. Eu ficava sentada à sua frente sem dizer nada. Ele também não dizia palavra. Olhava para mim enquanto remava e de vez em quando sorria-me. Eu então também sorria para ele. À volta, tomávamos um “panaché”, com umas batatas fritas, numa tasquinha lá do sítio e voltávamos de comboio, ou numa camioneta à pinha, com os braços atafulhados de flores do campo. Flores que cheiravam bem. De regresso a Paris, quase me sentia asfixiar. Gostaria de ter lá ficado, em Athis-Mons ou em Gagny, uma semana inteira deitada na relva ao pé dele, a olhar para o céu.

      in, Pele Calejada  (Trad. Luiza Neto Jorge)

      A parte mais bela da vida. 

Jeffrey Smart - The Steps



      O que sugere a tela? O céu pode não estar só na parte de cima das nossas cabeças e pode não ser tão vasto. Quanto aos tijolos vermelhos, o inferno está na sombra. O obelisco, a agulha de pedra tinha a função de proteger a humanidade da fúria da divindade, ao perfurar as nuvens dispersava as forças negativas e protegia o templo e a praça comum. Quanto à senhora, ela veste com a cor da luz.

Cristovam Pavia - Écloga

Na folha bailada
Levada
No vento,
Vai o meu pensamento.

Na cinza delida
Espargida
Pelo rio,
Vai o meu olhar frio.

E no teu sorriso
Da mais lisa
Quietação...
O meu coração.

in, As Folhas de Poesia da Távola Redonda

Amanhã



O inverno nunca mata as sementes.

Sheila - Bang Bang




Nous avions dix ans à peine
Tous nos jeux étaient les mêmes
Aux gendarmes et aux voleurs
Tu me visais droit au cœur

Bang bang, tu me tuais
Bang bang, et je tombais
Bang bang, et ce bruit-là
Bang bang, je ne l'oublierai pas

Nous avons grandi ensemble
On s'aimait bien il me semble
Mais tu n'avais de passion
Que pour tes jeux de garçon

Bang bang, tu t'amusais
Bang bang, je te suivais
Bang bang, et ce bruit-là
Bang bang, je ne l'oublierai pas

Un jour tu as eu vingt ans
Il y avait déjà longtemps
Que l'amour avait remplacé
Notre amitié du passé

Et quand il en vint une autre
On ne sait à qui la faute
Tu ne m'avais jamais menti
Avec elle tu es parti

Bang bang, tu m'as quittée
Bang bang, je suis restée
Bang bang, et ce bruit-là
Bang bang, je ne l'oublierai pas

Quand j'aperçois des enfants
Se poursuivre en s'amusant
Et faire semblant de se tuer
Je me sens le cœur serré

Bang bang, je me souviens
Bang bang, tout me revient
Bang bang, et ce bruit-là
Bang bang, je ne l'oublierai pas.

  Para dois alunos a quem tive o prazer de ensinar e se apaixonaram.

Diogo Vaz Pinto




Guardei o recibo, que não serve para nada.
Dados impessoais: o nosso subtotal foi de 6,35
- pediste uma água mineral, um café
e uma sandes de ovo (em que não tocaste);
pagámos caro por estarmos ali os dois,
na cafetaria do aeroporto com uma hora inteira
só para dizer uma palavra. Tudo
processado por computador, IVA incluído.
Uma operação que teve início precisamente
às 04.55 da madrugada. Agora
temos muito tempo para nos contentarmos
por já não termos que disputar as contas,
tu pagas os teus cafés, e eu sem ti
passo bem sem café.

         
A pulp poetry moderna, da qual Leonard Cohen aconselhava há alguns anos atrás na canção Field Commander Cohen: "Leave it all and like a man, come back to nothing special, such as waiting rooms and ticket lines, silver bullet suicides, and messianic ocean tides, and racial roller-coaster rides and other forms of boredom advertised as poetry." Se a poesia de cordel criar beleza, mesmo por pouco tempo, que viva até morrer.

Arquivo do blogue