W. A. Mozart - Misericordias Domini in D minor K. 222


    Se repararmos no minuto 1.05 deste momento sacro de Mozart encontramos uma surpresa. Curiosamente está lá o motivo melódico da Nona Sinfonia de Beethoven. A obra é de 1775 e o autor do Hino à Alegria era ainda uma criança. Os estudiosos atestam que é apenas uma coincidência.

Daniel Faria


A luz de Damasco é um grito
Para a ovelha que regressa

A luz de Damasco é um tombar do trigo, um cair
Do grão – cega tanto como os olhos
De um homem perseguido quando se volta
Para nós

A luz de Damasco golpeia. É circuncisão
Que abre, limpa, a luz de Damasco
É dura. Da dureza

Das pedras que um mártir junta com as mãos
Com que empedra o caminho para a morte. A luz
De Damasco é esse lume

Da oração de um mártir ao morrer.

in, Dos Líquidos


  Uma antiga sugestão de felicidade.

Hieronymus Bosch - Concert in the Egg



    O Concerto no Ovo é uma tela que durante muito tempo foi considerada cópia de uma obra perdida criada por Hieronymus Bosch. Actualmente é tida como baseada num dos seus desenhos.
   Esta alteração deve-se à análise da música presente no livro aberto, que mostra notas de Thomas Crecquillon, do ano de 1549.
    Sabe-se que foi comprada em 1890, por 400 francos, pelo Palais des Beaux-Arts de Lille a um negociante de arte parisiense. Recentemente, o quadro apareceu com o título em holandês Zangers en musici in een ei numa exposição em 2008, no Museu Noordbrabants, na Holanda. Seja como for, a pintura ou é de Bosch ou é bem à maneira de Bosch.

    in, Wikipédia

Chegar a casa

    O neoliberalismo impludiu as rotinas e tem defendido que as nossas vidas só serão plenas quando forem à velocidade de 3 segundos antes do orgasmo. Este blogue defende 3 segundos depois e com a venda dos cavalos.

Renata Correia Botelho - El pájaro



é de ti, passarinho, que fala
esta música. espero-te à varanda
do meu quarto, num abismo
que se ergue do chão aos meus olhos
ainda baços. encontraste aqui,
como eu, a tua sombra, pajarillo

tú me despertaste, enseñame a vivir
e vamos juntos, por aí, numa voz só,
entoando esta cantiga com os cavalos
bravos, fingindo a vida e logrando
a morte, recolhendo à terra,
passarinho, sem nada temer,

recolhendo à terra.


  Nada a temer.

Anna-Maria Hefele - Polyphonic overtone singing


    Agradeço à minha filha Lara o conhecimento do video. À primeira audição parece que estamos na presença de um truque de estúdio, mas não. O canto dos harmónicos é o canto de dois ou mais sons em simultâneo por uma única pessoa, que ao manipular os espaços da cavidade bocal ressalta os harmónicos da própria voz. A técnica é bastante popular na Ásia Central entre mongóis e tuvanos e pela sua natureza suave, era usada nas cantiga de ninar. 
    Pela voz pode, afinal, sair um coro.

Henrique de Lemos

Procura no que sonhas
apenas a frescura 
de um curso de água
descendo a montanha.

Não faças de barragem
o teu ser: da tua boca
jorrará sempre a mentira
de um suposto saber.

Do eterno, 
da pura visão selvagem,
do avanço intrépido para o que é,
só os bichos podem beber.

  A necessidade de secar a macieira.

Franz Toussaint - A fonte das gazelas

Elas só vêm beber quando cai o crepúsculo. Uma a uma e inquietas elas surgem das sombras procurando uma nesga de céu reflectido na fonte.

Assim esperas a noite para penetrares em minha casa, e antes de me beijares a boca, procuras ver em meus olhos o encantamento da minha alma!

in O Jardim das Carícias

    Uma leitora chamou a atenção para a possibilidade de o autor do texto não ser Franz Toussaint. Na verdade, o trecho faz parte de um conto do livro Jardins de Caresses, que reúne contos árabes do séc X, que foram traduzidos para francês pelo autor. Assim, ele é apenas o tradutor. Bem haja.

Abba - Like An Angel Passing Through My Room



Long awaited darkness falls
casting shadows on the walls
in the twilight hour I am alone
sitting near the fireplace,
dying embers warm my face

In this peaceful solitude
all the outside world subdued
everything comes back to me again
in the gloom
like an angel passing through my room

Half awake and half in dreams
seeing long forgotten scenes
so the present runs into the past
now and then become entwined,
playing games within my mind

Like the embers as they die
love was one prolonged goodbye
and it all comes back to me tonight
in the gloom
like an angel passing through my room.

I close my eyes
and my twilight images go by
all too soon
like an angel passing through my room.



   A música ligeira não cria intimidade. Falta-lhe silêncio, lirismo e imaterialidade. O seu objectivo é entreter, emocionar e não celebrar.

Glória de Sant'Anna

Não sei por que buscas palavras longas
para as coisas breves que nos assombram.

Não sei por que teces teias enormes
para as incertezas que nos envolvem.

Não sei por que insistes. Não sei porque insistes
em prender os meus passos nesse limite.


    Daí, a riqueza da música.
 
                                 Amar.

Heinrich Vogeler - Sehnsucht

saturnsdaughter:

Heinrich Vogeler, Sehnsucht (Träumerei), 1900

    São precisos anos para compreender o exterior, o interior e as suas relações. Em vez dos brincos, dos lábios, das unhas, da underwear e dos sapatos fazerem conjunto com a mala de mão, talvez com o céu. O céu não se compra.

Bárbara Lia

Gosto de agosto.
O algodoal menstrua
sangue branco
antes da primavera.
É preciso rasgar
por dentro
antes que chegue
a primavera.
É preciso pagar o tributo,
os deuses sempre cobram.
Depois que cair gotas espessas
brancas
no chão quase-negro,
os algodoais serão apenas valsa.
Uma onda de espumas trepidantes.
Quem sabe um leito rústico,
para os amantes de agosto.
Quem sabe agosto faça o parto da
primavera com menos pranto,
sem sangue branco,
apenas vento,
valsa
e um olhar que é só encanto.

   in, noir.

   Da gestação ao encanto.

Rain of Poems over London


    
    Rain of Poems, created by the Chilean Casagrande, sees poems dropped over cities bombed during military confrontations in the past. It has been held in Berlin, Germany (2010), Warsaw, Poland (2009), Guernica, Spain (2004), Dubrovnik, Croatia (2002), and Santiago, Chile (2001). London is the sixth city to host the event.

    Rain of Poems took place over London on Tuesday 26th June 2012 at 9pm. One hundred thousand poems printed on bookmarks by over 300 contemporary poets from 204 countries fell from a helicopter over Jubilee Gardens during Poetry Parnassus as the sun sets.

    Notes from Youtube.

Daniel Faria

Deve ser o último tempo
A chuva definitiva sobre o último animal nos pastos
O cadáver onde a aranha decide o círculo.
Deve ser o último degrau na escada de Jacob
E último sonho nele
Deve ser-lhe a última dor no quadril.
Deve ser o mendigo à minha porta
E a casa posta à venda.
Devo ser o chão que me recebe
E a árvore que me planta.
Em silêncio e devagar no escuro
Deve ser a véspera. Devo ser o sal
Voltado para trás.
Ou a pergunta na hora de partir.


in Explicação das Árvores e de Outros Animais

    No fim do tempo velho.

Jorge de Lima

33

Tu queres ilha: despe-te das coisas,
das excrescências, tira dos teus olhos
as vidraças e os véus, os sapatos dos
teus pés, e roupas, calos, botões e
também as faces que se colam à
tua, e os braços alheios que te abraçam
e os pés que querem ir por ti, e as moças
que querem te esposar, e os ais (não ouças!)
que querem te carpir, e os cantos que
querem te consolar, e tantos guias
que querem te perder, e as ventanias
que não dormem, que batem alta noite,
tristes, em tua porta, se ressonas
pois nem o vento, nada te abandona.

  in Invenção de Orfeu


  A inevitabilidade do despojamento.

Else Lasker-Schüler - Ester

Ester é esbelta como a palmeira brava,
Os pés de trigo têm o cheiro dos seus lábios,
E os dias de festa que em Judá se celebram.

De noite, o seu coração repousa sobre um salmo,
Os ídolos escutam nas salas do palácio.

O rei sorri se vai ao seu encontro —
O olhar de Deus está sempre posto em Ester.

Os judeus jovens fazem canções à irmã,
E gravam-nas nas colunas da sua antecâmara.

   in Baladas Hebraicas, tradução de João Barrento.

    Os acontecimentos descritos no livro de Ester aconteceram quando o povo de Israel era cativo na Babilónia. O local da história é Susã, a cidade onde o Rei da Pérsia e Média, o Rei Assuero, vivia. Este Rei após mandar embora a sua primeira esposa, a rainha Vasti, procurava uma nova esposa para se tornar rainha. Nesse intuito organizaram uma competição onde mulheres de todo o reino foram convidadas a vir até Susã com o propósito de que uma delas preenchesse o lugar vazio da rainha. (Ester 2:1-4). No meio dessas mulheres estava Ester.

Alice Wellinger



    Alice Wellinger é uma ilustradora austríaca que vive na bonita cidade de Lustenau. De obra vasta, estas duas telas relembram o tempo da inocência e a sua perda. O anjo não se defendeu e começou a viver sem remorsos.

Ingmar Heytze - Market maker

A única coisa que posso fazer por si, diz o homem
atrás dos computadores, é premir um botão a tempo
porque tudo tem que desaparecer, desaparecer e desaparecer.
E quase ninguém sabe quando é que na realidade
ele preme um gatilho. O passado foi à falência,
o futuro não me interessa; a verdade
flui em números cinzentos pelas minhas retinas,
um piscar de olhos e a próxima apresenta-se.
Os dias não são bons ou maus, vivo indiferente
a onde paro e ao que ponho em movimento.
É assim que eu vejo as coisas: piloto um navio,
o radar pia para onde. O mar? Nunca olhei para ele.
Posso chamar-lhe papá? Tenho biliões de pais e hoje
desapontei-os a todos. Não chore. Prefiro que
me conte uma história para eu conseguir dormir.

  O poeta é holandês, nasceu em Utrecht, em 1970. A tradução é de Maria Leonor Raven-Gomes, do livro Ademhalen onder de maan, que em português significa Respirar sob a lua.

Bryan Larsen - Eva


    Na Idade Média acreditava-se que o fruto que Deus proibiu a Adão e Eva podia ter sido o figo, a uva, o marmelo ou a maçã. Hoje, sabemos que não foi a maçã porque não havia macieiras na Mesopotâmia. Qualquer que tivesse sido o fruto, o certo é que a transgressão foi grave. Não foi só o pecado, mas também o acto de comer o fruto que envolvia o conhecimento. 
    Esta tela, pintada a óleo, apresenta-nos Eva na primavera antes da causa e sentada junto à arquitectura consequência do conhecimento e da ciência.

José Carlos Barros

Com o John Wayne 
estávamos sempre à vontade.
Estávamos com o John Wayne
e atirámos a matar.

Os dois ladrões de cavalos
ficaram no chão
de terra batida
em frente ao saloon

com o sangue a escorrer-lhes
da boca. Tínhamos
oito anos

e no dia seguinte
não se falava de outra coisa
no recreio da escola.


  O vilão era o vilão.

Para A.


      Maria Bethânia interpreta 'Eu Não Existo Sem Você' de Vinicius de Moraes e Tom Jobim.

    A tristeza e a dor , pouco a pouco, vão fabricando a provisão de ensinamentos necessários. A vida, essa dádiva, essa graça, nunca exigiu que fosse assim.

Fernando Echevarría



Não. Não digam que é triste. Digam só que avançamos
mais para dentro da nossa solidão.
Digam que ouvir é campo
medindo o som
que nos situa ainda próximos do pranto,
ou de onde estão.

Mas se formos um pouco mais pra dentro
da solidão, abrir-se-á
a dureza sem fim do pensamento.
E, então, ficará
ser triste cá fora. O vento
esfriará o ar.
E, então só, seremos
longe do mundo que à nossa volta está.


in Poesia, 1987-1991, Afrontamento

Andrei Tarkovsky



    Aqui, deposta enfim a minha imagem, 
    
Tudo o que é jogo e tudo o que é passagem, 
    No interior das coisas canto nua. 

    Aqui livre sou eu — eco da lua 
    E dos jardins, os gestos recebidos 
    E o tumulto dos gestos pressentidos, 
    Aqui sou eu em tudo quanto amei. 

    Sophia de Mello Breyner Andresen

Ricardo Reis - Outono

Quando, Lídia, vier o nosso Outono
Com o Inverno que há nele, reservemos
Um pensamento, não para a futura
        Primavera, que é de outrem,
Nem para o Estio, de quem somos mortos,
Senão para o que fica do que passa —
O amarelo actual que as folhas vivem
        E as torna diferentes.

        A olhar as rugas de Lídia.

Yvette K. Centeno

conta-me
torna-me
amarga

faz-me saber
mais
do que sei.


 Saber, apenas em sabedoria.

Cantos de trabalho - Tocadora de Roda


    Michel Giacometti gravou este canto no lugar de Dornelas, Pampilhosa da Serra, Coimbra, em 1972. Mais ou menos por essa altura dizia José Afonso "A música que faço é de segunda ou terceira, de primeira faz o povo." O video é um documento.

Nicholas Wilson


    Enfim, um ser vivo com os mesmos problemas: de tempo e de destino ominoso. Não olha em frente, tenta perceber se tem ajuda.

Li Shang-yin (812-858)

O vento do Este solta um lamento, a chuva fina cai:
Para além da lagoa de lírios-d'água, o barulho de um trovão distante.
Um sapo dourado corrói o cadeado. Abre-o, queima o incenso.
Um tigre de jade puxa a corda. Fugindo do poço, escapando.
A filha de Chia espreitou pela cortina quando o empregado Han era jovem,
A deusa do rio deixou a almofada para o grande príncipe de Wei.
Nunca deixem o vosso coração aberto com as flores da primavera:
Um dedo de amor é um dedo de cinzas.

   Escrever, assim, no séc IX.

Saigyō Hōshi - Aquele que se afasta a si mesmo

Aquele que se afasta a si mesmo - 
terá ele verdadeiramente
atingido o afastamento?
O verdadeiro solitário é aquele
Que nada afasta de si.

  Poeta japonês que viveu entre 1118-1190.

Leonard Cohen - Did I Ever Love You

            

Did I ever love you
Did I ever need you
Did I ever fight you
Did I ever want you
Did I ever leave you
Was I ever able
Or are we still leaning
Across the old table

Was it ever settled
Was it ever over
And is it still raining
Back in November
The lemon trees blossom
The almond trees wither
Was I ever someone
Who could love you forever

    Talvez devido ao rigor de ensinar Língua Inglesa a adolescentes, eu corrigiria o aluno que escrevesse o texto. Obriga a gramática que não se abandone o ponto de interrogação. Só que, como dizia um amigo, "Aos 80 anos sabemos tudo." e provavelmente L. Cohen já não se interroga como antigamente. Não lhe é relevante.

    Deixei cair os olhos em "Or are we still leaning across the old table" que me sugeriu o altar de Abraão. Depois, a amargura do verso "The lemon trees blossom". Deixemos os limoeiros florir.

J. M. Fonollosa

«Foram quatro, sim, quatro e uma faca.
Já a lua morrera um dia antes.

Seguraram-lhe os braços pelas costas
e a roupa deparou com o sabor do campo.
Eram doces as suas pernas. Como o vinho.

Oito olhos muitas vezes se alternaram.
Parca foi sua defesa. Eram quatro, os homens.
Pude soltá-la passado um bocado.
Comigo pôs-me o braço ao pescoço.

Fomos quatro, sim, quatro e uma faca
que naquela noite no cinto me surgiu.
Morreu sem daquele meu abraço se soltar.

Não sei onde isto foi. Não me recordo.
Eu costumava ir a muitos sítios.»

O direito e o avesso dos amores entre o bem e o mal.

O portrait de Dorothy Wilding



    Dorothy Wilding foi nomeada a "Official Royal Photographer for the 1937 Coronation" e imortalizou-se com as fotos que tirou a membros da família real inglesa. Esta tornou-se ícone nos selos da Commonwealth entre 1952 e 1967. A sua auto-biografia In Pursuit of Perfection, publicada em 1958, é um tratado sobre a arte de criar beleza com uma máquina fotográfica.

Nuno Dempster

O bosque de pinheiros mansos
tranquiliza-me em tardes quentes,
quando as monótonas
cigarras são a luz do sol que fere
e a sombra é um odor a bálsamo.

Aí me refugio, recupero o silêncio
e imagino que bebo
água da fonte, as mãos em concha.

    A revelação.

Destino

"Tenho a suspeita de que
a espécie humana – a única –
está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará:
iluminada, solitária, infinita,
perfeitamente imóvel,
armada de volumes preciosos,
inútil, incorruptível, secreta.”


    Jorge Luís Borges

A maior ambição na vida


Testemunhar o milagre em cada dia.


No momento da tua renúncia 
estende sobre a vida os teus olhos 
e tu verás o que vias: mas tu verás melhor... 
e tudo que era efémero se desfez. 
E ficaste só tu, que és eterno.

Cecília Meireles

Arquivo do blogue