Pedro Barroso - Cantos de Oxalá



Em dias que nem sei se vale a pena ver
P'ra lá do que acontece, p'ra lá do querer saber
E o canto já lá vem e risca-se um poema
Que a montra de cantar às vezes é uma algema.

   E vem o vento e dá
   E vem a sorte e tira
   São cantos de oxalá
   Lutando co' a mentira.

Houvera que encontrar um mundo de mudança
Mas não sei em que mar navega tal distância
Houvera de encontrar um mundo de lonjura
Mas não sei em que mar navega tal ventura.

E um dia ainda há-de haver sentido culto e grande
O povo que se quer e bailaremos ambos
E os ídolos do tempo, o tempo os apodrece
Quem vive p'ró futuro não cansa e nunca esquece.

      Homens sem rosto criaram os media e outros media para anular o povo antigo. Traçando limites para a sua vontade e principalmente para a sua consciência, perpetuaram em democracia o poder. 

Sem comentários:

Arquivo do blogue